23 de ago de 2012

Fechamento da Oficina de Narrativas Colaborativas Literárias



No semestre passado, nosso grupo do PIBID-Letras aplicou a Oficina de Narrativas Colaborativas Literárias com a turma 107. Também começamos a aplicar a oficina com as turmas 105 e 106 e a finalizamos esta semana.  
Essa oficina tem como objetivo que os alunos produzam narrativas, mais especificamente, um conto, além de incentivar e dinamizar a prática da produção literária e fazer com que esses identifiquem os elementos de uma narrativa, tais como: tempo, espaço, enredo e personagens. 
O grupo do PIBID-Letras do colégio agradece a todos os alunos que colaboraram na participação da oficina. Abaixo segue uma narrativa
de cada turma.



Inacreditável


         Era 30 de dezembro de 2011, Roose teve uma breve e assustadora visão sobre o futuro: que muitos aviões iriam atirar bombas atômicas na superfície terrestre.
         Roose, preocupada com sua visão, foi procurar ajuda. Andando pela rua encontra um astrólogo. Desesperada por encontrar alguém, começa a desabafar com ele mesmo. O astrólogo, impressionado com sua confusa história, não sabe se deve acreditar em Roose, mas, refletindo sobre tudo aquilo, decide ajudá-la.
         Ao chegar ao seu observatório, William pesquisou a posição dos planetas perto da Terra. Enquanto isso, pensando sobre tudo, Roose tem uma nova visão: tudo acabará em 29 de fevereiro de 2012.
         William, preocupado, resolveu pedir ajuda a uma grande amiga, a doutora Kate. Ela decide ajudá-los e marcaram de se encontrar na casa de Roose. William indo em direção à casa de Roose, com o pensamento em Kate, é violentamente atacado por um zumbi. Apavorado, foge correndo. Confuso com todas essas coisas que estão acontecendo, liga para Kate. Ela diz para ele que devem procurar Roose e que precisam falam com o presidente.          Os três vão para a Casa Branca. Conversam com o presidente e contam a ideia de Roose. Enquanto isso, Kate foi embora. No caminho de seu laboratório, é atacada pelo mesmo zumbi que atacou William, foge e volta para falar com este na Casa Branca.
         Eles decidem procurar o zumbi. E assim vão Kate, William, Roose e o presidente. De repente encontram o tal monstro e conseguem prendê-lo em uma caverna. Roose cai no chão e desmaia. Quando acorda diz que vai acontecer algo naquele exato momento.
         Todos vão para Israel para tentar salvar o mundo, pois descobrem que os aviões e bombas estão lá. Quando chegam em Israel, descobrem qual é o local em que o controle para ativar as bombas estava escondido. Para surpresa de todos, um policial que tinha lhes ajudado a viajar para lá estava com o detonador nas mãos e estava prestes a acabar com o nosso mundo. Mas, com muita fúria, William pega uma arma e dá um tiro certeiro no policial, que logo morre. William, rapidamente, pega o controle de suas mãos e pelos comunicadores de rádio pede para que desativem as bombas presas nos aviões. Feito isso, William destrói o controle e todos ficam mais calmos.
Kate e o astrólogo ficam juntos e tudo passa. Porém, Roose prevê mais uma tragédia e começa tudo outra vez. 

                                   Raquel, Natália K., Paloma, Patrícia, Paula e Rodrigo
Turma: 107







O assassino do machado


         Era um sábado chuvoso. Sinceramente, eu queria ter passado o final de semana em casa, com minha mulher, mas aquele maldito telefone tocou. E a voz áspera e enjoativa do meu parceiro investigativo me chamou para resolver mais um caso repetitivo. Isso, pelo menos, foi o que eu pensei. Lembro ainda de suas palavras:
           - Bill, encontramos um presunto aqui na estação.
       Mais um caso enjoativo, com um cadáver, alguns suspeitos e o culpado. Tudo muito clichê. Mas logo quando cheguei à estação, percebi que esse era um crime único. A vítima, um grande empresário local, fora esquartejado, aparentemente, por um machado.
      Os suspeitos eram: um psicólogo, o qual a vítima consultava, um suspeito de ser um terrorista, que já tinha feito um atentado à vítima, uma política, que a vítima tinha acusado de corrupção, uma empregada, que supostamente tinha um caso com o empresário, e, incrivelmente, um padre, que fora acusado de ter abusado da filha da vítima.
         As investigações perderam o controle. Os suspeitos perderam a sanidade e começaram a acusar uns aos outros. Pessoalmente, eu acreditava que o culpado era o terrorista. Porém, após um dia de investigação, fui informado que ele havia morrido.
     As investigações continuaram. Em uma tarde, dois dos suspeitos, o psicólogo e a empregada começaram a acusar um ao outro. Meus colegas tentaram acalmá-los, mas os dois perderam a noção de tudo e caíram nos trilhos do trem. Foi horrivelmente repulsivo. A plataforma ficou vermelha, com alguns retalhos de suas roupas e seus corpos.
         Após isso tudo, recebi um telefonema. Era a política. Ela estava pedindo socorro. Estava prestes a dizer onde estava, quando um som cortante abafou sua voz pelo telefone. Horas depois, seu corpo foi encontrado com enormes cortes feitos, novamente, por um machado.
       O único suspeito restante era o padre. Algumas viaturas foram até sua casa, mas o que encontraram foi perturbador. Uma corda presa ao teto estava amarrada em volta do pescoço gélido do padre, fazendo-o balançar como um pêndulo.
        Seguimos sem pistas, e os assassinatos continuaram. Porém, o assassino cometeu um deslize: deixou-se gravar pelas câmeras de segurança de um dos locais onde atuou. As imagens eram surpreendentes. O assassino do machado era o psicólogo.
        De alguma forma, ele tinha forjado sua morte, para sair das suspeitas. Alertamos todas as unidades para prendê-lo. Ele estava no alto de uma grande colina, ameaçando jogar-se no rio. A queda era grande, a morte era certeira. Perguntamos a ele:
         - Qual o motivo?
         - As pessoas são criaturas nojentas. O mundo seria melhor sem elas.
        Após dizer isso friamente, ele se jogou no rio. Seu corpo afundou na água e foi levado pela forte correnteza. O caso foi encerrado, arquivado e esquecido. E eu nunca lembrei dele, até um ano depois, quando li no jornal a seguinte manchete: “Assassino do machado mata mais três pessoas”. Estremeci e disse para mim mesmo:
         - Vai começar tudo de novo.

 William D., Lucas G. , Fabiana, Larissa, Andreza
Turma: 106

     



A guerra dos aflitos


 Eram tempos de trevas, a Igreja católica já não era mais procurada, a escuridão já fazia parte do dia a dia, não existia outra palavra para descrever esse cenário, se não o caos. Mortos-vivos vagavam pelas ruas da cidade, contaminando os poucos que ainda restavam. Tudo parecia um verdadeiro apocalipse. Eu, como padre, resgatava muitos sobreviventes e os abrigava na igreja, pois o pouco que tinham hoje se resumia a nada.
Para mim, era mais um dia daqueles nos quais preferimos nem viver. Nesse dia, resolvi ficar um pouco mais na cama, quando fui surpreendido com uma visita do policial Jony. Ele vem me ajudando há anos, trazendo os necessitados para cá. Mas, hoje, logo que entrou pela porta, vi pelo seu semblante que não trazia uma boa notícia. E foi aí que tudo começou...
Foi a caminho do hospital que ele me explicou a história de uma garota que, aos olhos dos médicos, não tinha mais volta, pois fora contaminada com um vírus, o qual até o momento era desconhecido. A meu ver, iria apenas fazer minhas preces para uma menina que estaria presenciando
seus últimos minutos de vida. Mas, quando cheguei lá, vi que se tratava de algo bem diferente.
Enquanto fazia as preces, ela parecia inconsciente. Segundos depois que rezei o Pai Nosso, a máquina alertou que ela havia morrido, fazendo aquele barulho agonizante. Enquanto todos choravam lamentando a sua morte, aconteceu algo inesperado: ela levantou, mas não tinha a mesma aparência e nem a mesma voz. Havia se transformado em um monstro, nada parecido com os outros que vagavam pela cidade, era muito mais forte. No momento, sem saber o que fazer, achei que se tratava de um exorcismo, mas, ao direcionar o crucifixo para ela, com certa rapidez, ela o tirou da minha mão e o quebrou. Assim, ela fugiu do hospital, deixando muitos feridos.
O fato ocorrido causou um transtorno. Só havia uma explicação: o vírus que fora contraído por ela era muito poderoso e, se ela continuasse solta, poderia contaminar outras pessoas. A única solução seria encontrar oponentes de alto nível para vencê-la.
Uma organização foi formada: um herói, também médico, que andava pelas ruas a fim de recuperar sobreviventes ou feridos, e uma espécie de ninja cientista, além do padre e do policial. A cientista, resolvida a solucionar o problema que ela, juntamente com sua equipe, havia criado, saiu às ruas à procura de sua criação.
O encontro entre as duas era inevitável. Pouco tempo de procura e, então, a cientista, agora ninja, viu-se diante de sua própria criação. Sem hesitar, aquela criatura musculosa correra em sua direção. Por mais que tivesse alguma lembrança, ela mataria seu melhor amigo, caso ele ficasse em seu caminho.
Ela sabia que, para vencer sua criação, teria de feri-la atrás da nuca, pois somente assim voltaria a ser uma “humana”. Já na luta, a ninja se deu conta de que não conseguiria vencê-la sozinha. Foi aí que o super-herói veio ajudá-la. A ninja, já sem muita força, cravou a espada no zumbi e, neste mesmo momento, também foi atingida pela criatura. Sim, aquela garota que um dia fora zumbi, agora era uma garota normal. Mas a ninja, depois daquele dia, nunca mais passou a ver a luz do sol.


Lennon, Lucas, Lara, Larissa P., Larissa B. 
Turma:105







8 de ago de 2012

OFICINA DE MINICONTOS

No semestre 2012/1, aplicamos a oficina de Minicontos com as turmas do 1º ano do Ensino Médio. Seguem alguns dos melhores minicontos produzidos pelos alunos:


Greve de fome

Na década de 60, Drácula se alimentava do sangue de meninas virgens, hoje, ele morre de fome.

Bárbara e Giuliana
Turma 105


Terremoto

Desta vez foi diferente. As vibrações se espalhavam pela casa, saiam da cama, balançavam os quadros, as vidraças. -Foi bom para você? perguntou-lhe, entre sorrisos e suores. Ela ainda se segurando no lençol, suspirava. -Como nunca... ainda estou tremendo.

Dennis e Lennon
Turma 105


Decepção 

Eu nunca esperei isto de você, eu achei que seria para sempre, depois de tantas coisas que passamos juntos nessa vida, tantas caminhadas, tantas pedras no caminho. Não esperava isso de você, você me decepcionou... Ass: chinelo.

Larissa e Lucas
Turma 105